Usamos cookies para personalizar su experiencia. Si sigue navegando estará aceptando su uso. Más información.
option

CTB - bateria 2

INFORMACIÓN ESTADÍSTICAS RÉCORDS
REALIZAR TEST
Título del test:
CTB - bateria 2

Descripción:
EXERCICIOS DOS MESTRES DO TRÂNSITO

Autor:
AVATAR
Prof. Fábio Silva
(Otros tests del mismo autor)


Fecha de Creación:
22/09/2013

Categoría:
Test de conducir
Comparte el test:
Facebook
Twitter
Whatsapp
REALIZAR TEST
Últimos Comentarios
AVATAR
AndersonS ( hace 2 años )
Excelente simulado!
Responder
Temario:
21. A elaboração de normas no âmbito das respectivas competências é uma das atribuições do a) CONTRAN; b) DETRAN; c) DENATRAN; d) CETRAN.
22. O Presidente do CETRAN é nomeado pelo a) Ministro dos Transportes; b) Governador do Estado; c) Presidente da República d) Pela Câmara dos Deputados.
23. Os membros do CONTRANDIFE são nomeados: a) pelo Presidente do CONTRANDIFE; b) pelo Presidente do CONTRAN; c) pelo Presidente do CETRAN; d) pelo Governados do Distrito Federal.
24. O mandato dos membros do CETRAN é de: a) um ano somente; b) dois anos somente; c) dois anos admitida a recondução; d) um ano admitida a recondução.
25. Já o mandato dos membros do CONTRANDIFE será de: a) um ano somente b) dois anos somente; c) dois anos admitida a recondução; d) um ano admitida a recondução.
26. Junto a cada órgão ou entidade executivo de trânsito ou rodoviários funcionarão: a) JARI; b) DETRAN; c) CETRAN; d) Nenhuma das alternativas.
27. O órgão determinado na questão anterior tem regimento próprio e apoio administrativo e financeiro do: a) CONTRAN; b) Órgão ou entidade junto ao qual funcione; c) CETRAN; d) DETRAN.
28. O julgamento dos recursos interpostos pelos infratores compete: a) ao CONTRAN b) ao CETRAN; c) ao CONTRANDIFE; d) à JARI.
29. Cumprir e fazer cumprir a legislação de trânsito e a execução das normas e diretrizes estabelecidas pelo CONTRAN, no âmbito de suas atribuições é competência: a) do CETRAN; b) do CONTRANDIFE; c) do órgão máximo de trânsito da União. d) Nenhuma das alternativas.
30. A incumbência de efetuar levantamento dos locais de acidentes de trânsito e dos serviços de atendimento, socorro e salvamento de vítimas é: a) da Polícia Rodoviária Federal; b) da Polícia Militar; c) dos órgãos ou entidades executivos de trânsito; d) das JARI.
31. A implementação das medidas da Política Nacional de Segurança e Educação de Trânsito é competência: a) da Polícia Rodoviária Federal; b) da Polícia Militar; c) dos órgãos ou entidades executivos de trânsito. d) Das JARIs.
32. A coleta de dados e elaboração de estudos sobre os acidentes de trânsito e suas causas é competência: a) da Polícia Rodoviária Federal; b) dos órgãos e entidades executivos rodoviários da União, Estados, Município, no âmbito de sua circunscrição; a) da JARI com circunscrição sobre os locais em análise; d) nenhuma das alternativas.
33. A execução da fiscalização de trânsito, quando e conforme convênio firmado, como agente do órgão ou entidade executivos de trânsito ou executivos rodoviários, concomitantemente com os demais agentes credenciados é competência: a) da Polícia Rodoviária Federal; b) da Polícia Civil; c) dos CETRANs; d) da Polícia Militar dos Estados e do Distrito Federal.
34. A concessão de autorização para conduzir veículo de propulsão humana e de tração animal compete: a) ao CETRAN: b) à Polícia Militar com circunscrição sobre a via; c) aos órgão e entidades executivos de trânsito dos Municípios no âmbito de sua circunscrição; d) ao CONTRAN.
35. Para exercer as competências estabelecidas no artigo 24 do Código de Trânsito Brasileiro, os Municípios deverão: a) filiar-se ao CETRAN do Estado a que fazem parte; b) filiar-se ao CONTRAN; c) integrar-se à Política Nacional de Trânsito estabelecida pelo CONTRAN; d) integrar-se ao Sistema Nacional de Trânsito.
36. Poderão prestar serviços de capacitação técnica, assessoria e monitoramento das atividades relativas ao trânsito durante prazo a ser estabelecido entre as partes: a) os órgãos e entidades de trânsito; b) os CETRAN de cada um dos Estados membros; c) o CONTRANDIFE; d) as JARI.
37. O dever de abster-se de obstruir o trânsito ou torná-lo perigoso, atirando, depositando ou abandonando na via objetos ou substâncias, ou nela criando qualquer outro obstáculo é incumbência: a) do condutor de veículo; b) do usuário das vias terrestres; c) do pedestre; d) da Polícia Militar.
38. De acordo com o art. 29, I do Código de Trânsito Brasileiro, a circulação far-se-á pelo: a) lado esquerdo da pista; b) centro da pista; c) lado direito da pista; d) nenhuma das alternativas.
39. A ultrapassagem de outro veículo em movimento deverá ser feita pela esquerda, obedecida a sinalização regulamentar e das demais normas estabelecidas no Código de Trânsito Brasileiro, exceto quando o veículo a ser ultrapassado: a) estiver em alta velocidade; b) estiver em baixa velocidade; c) estiver com o pisca-alerta ligado; d) estiver sinalizando o propósito de entrar à esquerda.
40. As normas de ultrapassagem previstas nas alíneas a e b do inciso X e a e b do inciso XI do artigo 29, aplicam-se também a: a) todos os casos de trânsito; b) transposição de faixas; c) alguns casos de ultrapassagem; d) nenhuma das alternativas.
41. A transposição de faixas, movimentos de conversão à direita, à esquerda e retornos são entendidos como: a) deslocamento lateral; b) deslocamento transversal; c) deslocamento perpendicular; d) deslocamento anormal.
42. A troca de luz baixa e alta de forma intermitente e por curto período de tempo, com o objetivo de advertir outros motoristas, só poderá ser utilizada para indicar: a) a presença de blitz aos veículos que vêm em sentido contrário b) a presença de policiais com radares aos veículos que se deslocam em sentido contrário; c) para indicar a existência de risco à segurança para os veículos que circulam no sentido contrário; d) nenhuma das alternativas.
43. Quando sob chuva forte, neblina ou cerração, o condutor manterá: a) aceso o pisca-alerta; b) aceso o farol alto; c) aceso o pisca-alerta e farol alto; d) acesa as luzes de posição do veículo.
44. O condutor utilizará o pisca-alerta: a) sob forte chuva; b) em situações de emergência; c) sob neblina; d) sob cerração.
45. Durante a noite, em circulação, o condutor manterá acesa: a) a luz de placa; b) a luz baixa; c) a luz alta; d) nenhuma das alternativas.
46. Os veículos de transporte coletivo regular de passageiros, quando circularem em faixas próprias a eles destinadas, e os ciclos motorizados deverão utilizar-se de farol de luz baixa durante: a) a noite; b) o dia; c) a tarde e a noite; d) durante o dia e noite.
47. Sempre que for necessária a imobilização temporária de um veículo no leito viário, em situação de emergência, deverá ser providenciada a imediata sinalização de advertência, na forma estabelecida pelo: a) CETRAN; b) Sistema Nacional de Trânsito; c) CONTRAN; d) CONTRANDIFE.
48. A operação de carga e descarga será regulamentada pelo: a) CONTRAN; b) Órgão ou entidade com circunscrição sobre a via; c) CETRAN; d) DETRAN.
49. A operação de que trata a questão anterior será considerada: a) parada; b) parada para embarque e desembarque de carga c) estacionamento; d) nenhuma das alternativas.
50. O estacionamento dos veículos motorizados de duas rodas será feito: a) em posição perpendicular à guia da calçada e junto à ela; b) sobre a calçada; c) paralelo ao bordo da pista de rolamento; d) em sentido contrário ao do fluxo, paralelo ao bordo da pista de rolamento.
Denunciar test Condiciones de uso
INICIO
CREAR TEST
INFORMACIÓN
ESTADÍSTICAS
RÉCORDS
Otros tests del Autor