Curso de Instrutores de Condução2 2019

INFORMACIÓN
ESTADÍSTICAS
RÉCORDS
REALIZAR TEST
Título del test:
Curso de Instrutores de Condução2 2019

Descripción:
Mecânica

Autor:
AVATAR

Fecha de Creación:
19/12/2019

Categoría:
Test de conducir
Comparte el test:
Facebook
Twitter
Whatsapp
REALIZAR TEST
Últimos Comentarios
No hay ningún comentario sobre este test.
Temario:
– Grupo moto – propulsor montado á retaguarda do veículo, eixo direccional recuado, comando de porto de emergência: Veículos tractores especiais Automóveis pesados mistos Veículos pesados afectos ao transporte de passageiros.
Tratando se de automóvel pesado de passageiros e do sistema de suspensão mais adequado a um veículo recente, este deve ser: Clássico, constituído por molas semi – elípticas e amortecedores hidráulicos equipados com camara de gás. Pneumático Constituído por barras de torção e amortecedores óleo – pneumáticos.
Os automóveis pesados de passageiros de construção recente, destinados ao transporte público urbano e suburbano, devem apresentar, como requisitos para o incremento da velocidade de operação e facilidade de utilização, as seguintes características: Plataforma rebaixada, motor central e pelo menos duas portas. Plataforma normalizada, um degrau no máximo, motor central e pelo menos duas rodas. Plataforma rebaixada, motor á retaguarda e pelo menos duas portas.
Por norma, os automóveis pesados de passageiros de construção recente e destinados ao transporte publico, do tipo urbano e suburbano, apresentam o respectivo quadro num nível: Inferior ao do centro das rodas de modo a que a plataforma se apresente rebaixada. Superior ao do centro das rodas de modo a que tendencialmente, a plataforma se apresente sobrelevada Inferior ao do centro das rodas, já que a estrutura do tipo monobloco facilita a montagem da plataforma.
Por automóvel pesado de passageiros, deve entender-se o veiculo especialmente concebido e construído para o transporte rodoviário com lotação mínima de: Quinze lugares, incluindo o do condutor Vinte lugares, excluindo o do condutor Dez lugares, incluindo o do condutor.
Os condutores de automóveis pesados de passageiros, especialmente os que conduzem autocarros em serviço urbano e cujo o veiculo apresenta a maioria dos lugares de pé, devem ter especial cuidado para que: Os ocupantes não interfiram com a boa observação dos espelhos retrovisores Os passageiros permaneçam seguros com ambas as mãos, mantendo os varões da coxia central desocupados. As entradas e saídas se processem alternadamente.
Motores de explosão, o veio de manivelas: Encontra-se ligado aos êmbolos Tem por função comandar as válvulas Permite a transformação do movimento alternativo em rotativo.
Regra geral, as embraiagens multi – discos são utilizadas em: Automóveis pesados de mercadorias Máquinas industriais pesadas Motociclos.
Os sistemas de distribuição dos motores de explosão podem ser: Por válvulas, camisas ou janelas Por válvulas ou segmentos Por segmentos, camisas ou janelas.
Regra geral, a capacidade das baterias é aferida: Em função da sua voltagem Em função da densidade do electrólito Em Amperes por hora.
Ao equipar um veiculo com duas baterias e estando ligadas em serie, a tensão do conjunto de baterias: É igual á soma das baterias em série, sendo a capacidade total correspondente a uma só Não sofre alteração, sendo a capacidade total correspondente á soma das duas baterias.
O estado de funcionalidade de uma bateria é aferido: Verificando a tensão e densidade Verificando unicamente a tensão Verificando unicamente a densidade.
Na bateria de um automóvel, uma densidade elevada do electrólito em todos os seus vasos, é indicadora: De que a bateria se encontra no final do seu tempo de utilização De que a bateria não tem carga eléctrica De que a bateria se encontra carregada.
Regra geral as baterias dos automóveis são constituídas por placas positivas e placas negativas. As placas positivas num elemento estão ligadas: Ao borne positivo Ao borne negativo Ao borne positivo ou negativo, dependendo do modo de montagem.
No pneumático de um automóvel e no que concerne às inscrições “175/80R14”, o numero 80 é relativo: Á largura do pneu expressa em polegadas Á serie indicadora da relação da altura pela largura Ao diâmetro do pneu expresso em polegadas.
No pneumático de um automóvel e no que concerne às inscrições “175/80R14” o número 14 é relativo: Á largura do pneu, expressa em polegadas Ao diâmetro interior do pneu, expresso em polegadas Á relação entre a altura e a largura do pneu.
De que modo a sonda Lambda contribui para a redução das emissões de agentes poluentes para a atmosfera? Mantendo a melhor relação combustível/ comburente, necessária ao bom funcionamento do catalisador Verificando a cada momento se a exaustão dos gases de escape é adequada, bem como se o estado de funcionamento e conservação do catalisador é o ideal. Verificando a cada momento se a exaustão dos gases de escape é ideal, em termos de oxigénio e do próprio funcionamento do catalisador.
Quanto ao tipo de condução a adoptar, tendente á redução das emissões poluentes para a atmosfera, deve-se: Evitar aquecer o motor com o veiculo parado. Aquecer o motor do veículo com este parado, devido á necessidade do catalisador e sonda Lambda estarem devidamente aquecidos antes do início da marcha. Aquecer o motor antes do início da marcha, devendo recorrer a rotações altas fora do domínio urbano.
Tratando se de vias inscritas em circuitos urbanos, verifica se, cada vez mais, a tendência para utilizar autocarros afectos ao transporte colectivo movidos a gás natural. Esta preferência deve se: A campanhas de mercado para promover a utilização do gás natural noutros domínios. A factores de logística ligados, entre outros, ao abastecimento da frota, uma vez que o gás natural é fácil de fazer chegar aos parques de veículos por ter uma combustão tao limpa como o gasóleo Á combustão mais limpa e menor contribuição para o efeito de estufa.
Relativamente á sua localização e papel que desempenha, a sonda Lambda: Está montada no catalisador, permitindo assim verificar a acumulação de resíduos poluentes Garante informação útil para a manutenção dos níveis óptimos de oxigénio e está montada antes do catalisador. Está montada no catalisador e permite garantir informação útil para a manutenção dos níveis óptimos de oxigénio. .
O processo de funcionamento de um conversor catalítico ou catalisador trivalente baseia se: Numa filtragem dos três agentes poluentes emitidos pelo escape para a atmosfera, obrigando á sua posterior remoção. Numa separação de três tipos de partículas poluentes, armazenando- as e queimado – as periodicamente em dois tipos de reacções químicas.
Num automóvel, através da instalação de um conversor catalítico ou catalisador trivalente, pretende se: Reduzir a emissão para a atmosfera de três gases poluentes como sejam o chumbo (Pb), Hidrocarbonetos (HC), e dióxido de carbono (CO2): Conversão de hidrocarbonetos (HC) e do monóxido de carbono (CO) em três moléculas de azoto, praticamente inofensivas para o meio ambiente Reduzir as emissões de monóxido de carbono (CO), óxido de Azoto (NOX) e de hidrocarbonetos incombustíveis (HC).
Através da instalação nos automóveis de sistemas de recirculação dos gases queimados (EGR=EXHAUST GAS RECIRCULATION) pretende-se: Reduzir as emissões de monóxido de carbono (CO) aumentando o rendimento dos veículos Diminuir a produção de óxido de nitrogénio ou azoto (NOX) na camara de combustão Reduzir as emissões de hidrocarbonetos incombustíveis (HC) através da sensível diminuição da temperatura da camara de combustão, devido á recirculação dos gases de escape.
Nos automóveis, através da instalação de sistemas de recirculação dos gases queimados (EGR=EXHAUST GAS RECIRCULATION) pretende-se: Utilizar indiferentemente uma parte dos gases de escape e envia los para o colector de admissão Utilizar a totalidade dos gases de escape e envia los para o colector de admissão Utilizar parcialmente os gases de escape, nomeadamente os que sofreram uma combustão insuficiente, e envia-los para o colector de admissão, promovendo a sua reciclagem através de uma nova combustão.
Em termos ambientais, a importância das mudanças de óleo dos motores se processam em oficinas competentes e tecnicamente adequadas, prende-se com o facto de: Os óleos utilizados serem amigos do ambiente e poluírem menos, devido a possuírem base mineral. Não fazer parte da sua constituição qualquer aditivo sintético tendo base vegetal e por isso poluírem menos Os óleos retirados serem posteriormente reciclados.
É possível um motor com ignição comandada emitir hidrocarbonetos: Não Regra geral não. No entanto, quando em carga, é possível a emissão através do bloco do motor. Sim.
A contribuição dos veículos de circulação rodoviária na emissão de agentes poluentes para a atmosfera, concretamente os hidrocarbonetos incombustíveis (HC), em termos internacionais é: Pouco importante face às outras fontes poluentes Muito importante face às outras fontes poluentes.
A contribuição dos veículos de circulação rodoviária na emissão de agentes poluentes para a atmosfera, concretamente o óxido de carbono (CO), é em termos internacionais: Muito importante face às outras fontes poluentes Pouco importante face às outras fontes poluentes De igual importância face às outras fontes poluentes.
Um motor endotérmico cujo funcionamento é normal, produz ruido com consequente poluição sonora, devido essencialmente á: Saída de gases quentes cuja combustão ainda se processa no exterior embora em pequena escala. Saída e expansão de gases quentes para a atmosfera e compressão das camadas de ar.
Num sistema de escape silencioso ou panela de escape incluída, o facto de os gases de escape passarem por placas metálicas montadas em labirintos, deflectores ou furos, promove: Diminuição do ruido e aumento da potencia Diminuição da emissão de gases poluentes, ruido produzido pelo motor, bem como da potência disponível. Diminuição do ruido com ligeira diminuição da potencia.
A afirmação de que a velocidade de expansão dos gases é normalmente reduzida por furos, deflectores, ou placas metálicas existentes no interior da panela, é: Falsa Verdadeira Verdadeira, pois parte importante dos gases nocivos são absorvidos pelas paredes cerâmicas da panela de escape, contribuindo assim a redução das emissões poluentes bem como do ruido.
Por norma, uma das funções primordiais do sistema de escape de um automóvel, mais precisamente do silencioso (panela de escape), é: Redução do ruido Redução das emissões poluentes Redução do ruido e das emissões através da existência no seu interior da sonda Lambda.
É possível encontrar num automóvel pesado de mercadorias uma embraiagem oleodinamica (hidráulica) com conversar de binário e uma caixa automática com possibilidade de comando sequencial: Não, somente nos automóveis ligeiros Sim.
Em determinados automóveis pesado de mercadorias, poderão ser encontrados embraiagens de disco duplo: Não Sim.
Num automóvel pesado, e quanto aos órgãos que compõem a transmissão, o local mais indicado para a montagem de um sistema de ajuda á travagem do tipo retaguarda hidráulico é: No diferencial Na caixa de velocidades Na árvore de transmissão.
Um automóvel pesado de mercadorias equipado com um “bogies” compostos de dois eixos de tracção poderá ter montado entre eles um sistema de bloqueio de diferencial? Sim Não.
Num automóvel pesado, o bloqueio do diferencial deverá ser sempre manual e servir para melhorar a tracção em condições de aderência difíceis: Sim Não, o bloqueio do diferencial poderá ser “ automático” Sim, especialmente em gelo o bloqueio é sempre manual.
No que concerne á transmissão e respectivos elementos de ligação dum automóvel pesado, os tirantes em “V” ou simples e as barras de reacção servem: Os primeiros para absorver as forças longitudinais, enquanto as segundas absorvem as forças laterais e mantem os eixos alinhados com as longarinas. Os primeiros para absorver as forças laterais e manter os eixos alinhados com as longarinas, enquanto as segundas absorvem as forças longitudinais.
Através de um sistema integrado de controlo de tracção (ASR), é possível impedir as rodas motoras de patinarem ao mesmo tempo que se sincroniza o binário de tracção entre ela? Sim Não.
Na transmissão de um automóvel pesado de mercadorias, é possível a redução de velocidades simples do tipo hipoide (diferencial) ou nos cubos do veículo? Não, só é possível a redução do tipo hipoide Não, só é possível a redução nos cubos Sim.
É possível um automóvel pesado de mercadorias equipado com uma caixa de velocidades com 14 velocidades possuir uma delas com uma relação de 1:1? Sim Não.
Num automóvel pesado equipado com uma caixa de 14 velocidades, em que uma delas apresenta uma relação de 0,79:1, significa que relativamente a esta temos: Desmultiplicação destinada a obter mais binário com o aumento da rotação do motor Multiplicação destinada a obter maior velocidade de cruzeiro com diminuição da rotação do motor. A ultima velocidade com uma maior relação de desmultiplicação, destinada á obtenção de mais força em detrimento da velocidade de cruzeiro.
Numa transmissão automática do tipo embraiagem oleodinamica (hidráulica) e caixa de velocidades de trens epicicloidais, comparada com uma transmissão tradicional de embraiagem com disco de atrito, normalmente, o efeito travão motor numa desaceleração é: Maior Igual Menor.
Com uma transmissão automática do tipo embraiagem oleodinamica (hidráulica) e caixa de velocidades de trens epicicloidais, normalmente e quanto ao efeito travão motor, numa desaceleração, temos: Maior efeito Igual efeito Menor efeito.
Numa moderna caixa de velocidades automática com gestão electrónica, é possível o condutor comandar directamente a selecção de velocidades? Sim Não.
Regra geral, conduzindo um veículo equipado com caixa automática e estando seleccionada a posição D e circulando em 3º ou 4º velocidade, quando se carrega repentinamente e a fundo no pedal do acelerador: Acciona-se um interruptor fim de curso, sendo seleccionada uma velocidade mais baixa Devido ao aumento da pressão no colector de admissão, a caixa recebe sinal para mudar imediatamente para uma velocidade mais alta.
Uma caixa de velocidades composta de trens epicicloidais, dita de automática, baseia o seu funcionamento, em termos genéricos, nos seguintes órgãos: Conjunto de carretos no exterior de coroa circular dentada interiormente e embraiagens. Conjunto de carretos no interior de coroa circular dentada interiormente e embraiagens Trem composto de carretos e respectivo suporte funcionando no interior de coroa circular ou anel, sem contudo engrenar neste e com funcionamento sem embraiagens engatadas.
Numa embraiagem hidráulica, o efeito de conversão do binário motor é conseguido através: Da turbina Da bomba Do reactor.
O conversor de binário motor que equipa uma embraiagem oleodinamica (hidráulica) serve, para: Fazer com que o óleo proveniente da turbina tenha maior incidência nas pás do impulsor, modificando o binário. Aumentar o débito da bomba proveniente de óleo e por isso a respectiva força modificando o binário. Engatar mecanicamente quando se verifiquem altas rotações, desmultiplicando a transmissão de força, aumentado por isso o binário.
Num sistema constituído por discos metálicos colocados alternadamente como discos de accionamento (discos macho) e discos accionados (discos fêmea) funcionando normalmente em banho de óleo, a embraiagem é: Oleodinamica ou hidráulica De variação continua Multidisco.
Por norma, num automóvel de tracção dianteira e tratando da transmissão do movimento às rodas motoras, prescinde-se de: Juntas universais e homocineticas Juntas e veios com união cardan como forma de aligeirar o sistema Veio intermédio, aumentando a rigidez do sistema.
Regra geral, num automóvel de tracção dianteira, para transmitir movimento às rodas motoras utiliza-se: Juntas universais Juntas homocineticas Cadeia primaria com veio de transmissão.
Importante noção que os condutores de automóveis pesados devem possuir do funcionamento e engreno das velocidades nas respectivas caixas, é a de que devem: Agir, tendo em conta que o processo de sincronização se baseia no atrito resultante do deslizamento entre superfícies metálicas Accionar a alavanca selectora em força e com a máxima rapidez, reduzindo o tempo de sincronização e engreno para o mínimo. Accionar a alavanca selectora o mais rapidamente possível, de modo a igualar a velocidade periférica dos carretos, especialmente, quando se trate de dentes rectos.
Normalmente, numa alavanca selectora de velocidades que equipa um automóvel pesado de mercadorias (mais concretamente, conjunto veiculo tractor e semi- reboque) cujo o peso bruto é de 40 toneladas, podemos encontrar? Patilha de altas e baixas, comando de “overdrive” e do travão retardador Interruptor de selecção de “½ desmultiplicação”, patilha de altas e baixas e interruptor do travão retardador/escape Patilha de altas e baixas e interruptor de ½ desmultiplicação.
Por norma, um automóvel destinado o transporte pesado de mercadorias, de âmbito internacional, com peso bruto fixado em 38 toneladas, com data de fabrico de Janeiro de 2006, possui: Caixa de velocidades sincronizada, exigindo a execução de dupla embraiagem para sincronização e engreno das velocidades Caixa de velocidades sincronizada, não exigindo a execução de dupla embraiagem para sincronização e engreno das velocidades.
Uma das características dos pneus “ tubeless” é: Maior resistência ao escorregamento lateral, logo maior adaptação a trajectórias em curva Ligeiro aumento da temperatura de operação em relação aos pneus convencionais, logo maior segurança activa.
A não existência de pressão adequada num pneu, segundo a recomendação do fabricante, pode constituir um factor decisivo: O desgaste prematuro da parte exterior da banda de rodagem sempre que exista sobrepressão O sobreaquecimento e possível rebentamento sempre que exista sob pressão O sobreaquecimento e possível rebentamento sempre que exista sobrepressão.
A afirmação de que a altura de flanco de um pneu, entre outros, inclui no angulo de deriva, é: Falsa Falsa, porquanto só a partir dos 100km/h, aproximadamente, se verifica alguma influência Verdadeira.
As inscrições 195/60R14 que um pneu apresenta, significam, entre outros: Que o pneu tem 14 polegadas no seu diâmetro externo Que o pneu tem 60 milímetro de altura de flanco Que o pneu tem construção radial.
Ao trocar os quatro pneus de um veículo por outros cujas medidas não são, á partida exactamente idênticas, deve atender-se especialmente: Ao perímetro total, para que se possa manter a relação transmissão original. Á mistura da borracha como elemento fundamental para a manutenção das velocidades anunciadas. Ao tipo de certificação dos pneumáticos.
Denunciar test Condiciones de uso
CREAR TEST
Usamos cookies para personalizar su experiencia. Si sigue navegando estará aceptando su uso. Más información.